27/01/2020
Home / Grávida  / Depressão pós-parto: e agora?

Depressão pós-parto: e agora?

Ao contrário do que muitos imaginam, a depressão pós-parto é bastante comum. Estima-se que ela afete ao menos dez por cento das mulheres que dão à luz. E, há apenas poucos anos, esse transtorno não

depressão pós parto

Ao contrário do que muitos imaginam, a depressão pós-parto é bastante comum. Estima-se que ela afete ao menos dez por cento das mulheres que dão à luz. E, há apenas poucos anos, esse transtorno não era muito levado a sério: era considerado apenas uma alteração hormonal, pouco estudada.

Você, mãe que acabou de ter bebê, provavelmente irá experienciar mudanças de humor bastante bruscas nos primeiros dias em casa. Porque, sim, existe uma alteração hormonal, que pode causar irritação e até mesmo uma certa tristeza. No entanto, o mais comum é que isso desapareça na margem dos dez ou quinze dias.

A depressão pós parto é outra coisa e é importante que não confundamos! Seus primeiros sintomas podem surgir ao longo das semanas seguintes e serem mais intensos e duradouros. É comum que mulheres se queixem de sentir uma intensa tristeza, muitas vezes até mesmo melancolia, perdendo a força e o ânimo para fazer até as mais simples tarefas do dia-a-dia.

A depressão pós-parto não possui uma causa única. Ela pode ser desencadeada por múltiplos fatores hormonais, além de todas as condições particulares que envolveram o parto, a gravidez e a maternidade em um geral, o que muda de uma mulher para outra.

Esse transtorno pode chegar a afetar até 15% das mães. Esse número é muito alto e só mostra a importância de levarmos a situação a sério!

postpartum-depression

Quais são os sintomas?

A mulher pode apresentar alguns dentro dos seguintes:

  • Uma tristeza profunda, que não tem a ver apenas com o nascimento do bebê, mas com outras áreas de sua vida;
  • Sentimento de incapacidade frente a tarefas cotidianas;
  • Sonolência;
  • Falta de energia;
  • Perda de libido;
  • Alterações no apetite;
  • Ansiedade.

Há tratamento?

Sim, há! Ele geralmente é composto pelo acompanhamento em forma de psicoterapia, cujo médico provavelmente receitará a medicação adequada. O uso de medicamentos é, geralmente, o modo mais eficaz de tratar a depressão pós-parto. Vale lembrar que devem ser ingeridos antidepressivos específicos para mães em período de gravidez ou amamentação, para diminuir os riscos para o bebê.

Avaliação
SEM COMENTÁRIOS

Publicar um comentário