20/09/2019
Home / Criança  / Conheça dicas para adaptar seu filho a uma alimentação saudável

Conheça dicas para adaptar seu filho a uma alimentação saudável

Muitos pais e mães lidam com verdadeiras batalhas, diariamente, para persuadir seus filhos a comer o que está à mesa. A famosa cena da criança que recusa os vegetais e as frutas é motivo de

alimentação saudável

Muitos pais e mães lidam com verdadeiras batalhas, diariamente, para persuadir seus filhos a comer o que está à mesa. A famosa cena da criança que recusa os vegetais e as frutas é motivo de comédia em filmes, novelas e comerciais; na vida real, no entanto, esse conflito pode ser angustiante em muitas famílias.

De acordo com levantamentos dos últimos anos, metade das crianças entre 1 e 5 anos são definidas pelos pais como “comedores seletivos”. Isso significa, em outras palavras, que excluem grupos específicos de alimentos de suas refeições, comem muito pouco ou substituem refeições por lanches menos nutritivos. Mauro Fisberg, nutrólogo da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), afirma, em entrevista à Globo: “A refeição é um campo de batalha natural para a criança, a primeira oportunidade experimentar independência”, analisa ele.

Segundo Fisberg, por parte dos pais, deve-se evitar transformar a mesa em um “campo de batalha”. Ou seja: muitos especialistas acreditam que as táticas das brigas e das ameaças podem não funcionar e, ainda por cima, tornar o momento do jantar desgastante para todos. “A hora da refeição deve ser um momento neutro”, explica ele. “Não é hora de opressão, de despejar as tensões”, continua.

 

 

Variar os alimentos

Uma boa ideia para persuadir sua criança é buscar sempre novas variações nos alimentos, substituindo as verduras, legumes e frutas por outras novas. Isso dá um tom de experimentação ao momento da refeição que pode estimular a criança, além de garantir uma nutrição completa.

“Para ter todos os nutrientes necessários ao seu desenvolvimento, o ser humano precisa receber diferentes alimentos”, explica o nutrólogo. “Quando a criança não aceita de cara um vegetal, não tome isso como uma recusa definitiva. Ofereça muitas vezes, com apresentações diferentes, aquele alimento”, indica.

No entanto, lembre-se sempre de também respeitar o paladar da criança. Muitas vezes, pode ser que ela realmente não goste de determinado alimento. Nesses casos, deve-se entender que é uma questão individual e sugerir outros.

 

 

Comportamento

A recusa de alimentos específicos começa no início da vida escolar, quando a criança passa a experimentar e descobrir a autonomia. Dessa forma, acaba por se utilizar disso para chamar atenção ou para afirmar sua capacidade de tomar decisões por si só. Isso, segundo especialistas, é uma fase normal da infância.

No entanto, ela pode tomar proporções maiores quando a criança passa a chorar diante de alimentos que não quer comer, ou até mesmo vomitar diante da insistência para que os coma. Isso, juntamente com variações de peso e falta de concentração, são sinais aos quais os pais devem ficar atentos.

“O tratamento deve incluir orientações nutricionais, comportamentais e psicológicas, não só para a criança, mas também para os pais e irmãos”, orienta Fisberg.

 

Avaliação
SEM COMENTÁRIOS

Publicar um comentário