25/04/2019
Home / Grávida  / Gravidez e parto requerem novos cuidados, diz OMS

Gravidez e parto requerem novos cuidados, diz OMS

O dia 07 de Abril é conhecido também como o Dia Mundial da Saúde. Neste dia, ainda mais do que em todos os outros, é necessário que se atente aos cuidados com o organismo, em

Gravidez e parto requerem novos cuidados, diz OMS

O dia 07 de Abril é conhecido também como o Dia Mundial da Saúde. Neste dia, ainda mais do que em todos os outros, é necessário que se atente aos cuidados com o organismo, em especial na gravidez. Para saber as precauções necessárias, vale a pena ler o post Gestante: conheça os principais cuidados que se deve ter na gravidez. A OMS (Organização Mundial da Saúde), em publicação oficial, recentemente atualizou o seu modelo de atenção pré-natal. Neste documento, encontram-se, para a gestante e para o médico, boas práticas e práticas a serem evitadas.

Os oito contatos fundamentais

Entre as práticas listadas pela OMS neste novo modelo de atenção pré-natal, está a mudança no número de consultas durante a gravidez. Antes, o número ideal de contatos com profissionais da saúde que uma mulher grávida deveria ter era quatro; no novo relatório, este número dobra para oito. Isso porque, de acordo com evidências recentes, uma maior frequência de consultas pré-natal ocasiona uma menor chance de natimortos.

Em outras palavras, segundo a OMS, o número de consultas deve ser maior para garantir um aumento de oportunidades de detectar e solucionar potenciais problemas na gravidez. Os oito contatos podem reduzir as mortes antes ou durante o nascimento em até 8 (considerando uma amostra de mil nascidos).

Oito é um número mínimo; se a gestante preferir, a frequência de consultas pode ser maior.

Esse novo modelo também possibilita que a mãe seja avaliada, juntamente do feto, mais frequentemente. Isso também leva a uma melhora na comunicação entre mãe e obstetra. Pesquisas evidenciam que uma comunicação mais plena e regrada entre o profissional e a gestante podem aumentar a possibilidade de resultados positivos na gravidez.

A OMS também recomenda que o primeiro contato seja feito nas 12 primeira semanas de gestação. As próximas visitas, de acordo com a publicação, se seguiriam nas semanas 20, 26, 30, 34, 36, 38 e 40, considerando um período gestacional ideal.

O diretor de Saúde Materna, Infantil e de Adolescentes da OMS, Anthony Costello, reitera: “Contatos mais frequentes e melhores entre todas as mulheres e seus provedores de saúde durante a gravidez facilitarão a adoção de medidas preventivas, detecção oportuna de riscos, redução de complicações e a abordagem das desigualdades na saúde”, afirma. “A atenção pré-natal para as mães de primeira viagem é fundamental. Isso vai determinar como elas tratarão o cuidado pré-natal em futuras gestações.”

Outras diretrizes

O relatório contém outras 49 recomendações que indicam e contextualizam os cuidados que gestantes devem receber em seus contatos com o provedor de saúde. Isso inclui aconselhamento a respeito de rotina alimentar e nutrição; atividades físicas; uso de tabaco e outras toxinas; exame de sangue e vacinação anti-tétano; prevenção de HIV e malária; orientação para os sintomas mais comuns (náusea, por exemplo); e medições fetais.

Francesco Branca, diretor do Departamento de Nutrição para Saúde e Desenvolvimento da OMS, reafirma a importância de tais diretrizes. “O aconselhamento sobre alimentação saudável, nutrição ideal e quais vitaminas ou minerais as mulheres devem tomar durante a gestação podem ajudá-las muito e ajudar também o desenvolvimento dos bebês, para que se mantenham saudáveis durante e além da gravidez”, explica.

Com tais recomendações a OMS busca melhorar a qualidade do atendimento pré-natal e reduzir a mortalidade de gestantes e fetos pré ou durante o parto, incluindo mães adolescentes e/ou habitantes de áreas emergenciais ou de difícil acesso.

Isso permite aos países contemplados pela OMS flexibilidade ao aplicar opções na prestação de serviços nos cuidados pré-natais. Assim, pode-se pensar nas necessidades específicas da população de cada país e região (e no atendimento mais disponibilizado nela – parteiras, obstetras ou outros profissionais de saúde capacitados, em hospitais, unidades de saúde ou outros serviços comunitários).

Algumas recomendações, segundo a OMS: 

  • Acompanhamento pré-natal com mínimo de oito contatos, de forma a reduzir a mortalidade de gestantes e feto e otimizar o atendimento para mulheres.
  • Os profissionais de saúde devem perguntar às gestantes se fazem uso de álcool e outras substâncias (passado e presente) o mais cedo possível durante a gravidez e em cada visita pré-natal.
  • Orientações sobre uma alimentação adequada e práticas físicas durante a gravidez.
  • Vacinação antitétano, recomendada a todas as gestantes.
  • Uma ultrassonografia antes das 24 semanas da gestação. Isso é recomendado para estimar a idade do feto e detectar, possivelmente, anomalias fetais. Assim, melhora-se a experiência da gestação para as mulheres.

 

Conheça mais sobre a proposta da Organização Mundial de Saúde (OMS) na campanha abaixo:

Avaliação
SEM COMENTÁRIOS

Publicar um comentário